segunda-feira, 16 de maio de 2022

Todos os dias um Autor Português: Carlos Pinhão

"O senhor-que-não-sabia-contar-histórias"
Texto de Carlos Pinhão e ilustrações de Ana Duarte de Almeida
Editado por Livros Horizonte em 1984

Começa assim:

"O jogo do "Ora Bem"

Era uma vez um Senhor-Que-Não-Sabia-Contar-Histórias. Ganhara fama de saber contar histórias às crianças, mas - verdade, verdadinha - o que ele gostava mesmo era de ouvir as crianças contarem as histórias que elas inventavam.
Convidavam-no muito para ir a escolas, jardins-infantis, a festas de crianças, mas ele era muito manhoso e começava sempre por fazer aquela habilidade de se sentar, tirar uns papéis da algibeira, ajeitar os óculos, tossicar e...
- Ora bem... - dizia ele.
Era sempre assim que começava:
- Ora bem...
Às vezes, não passava do "ora bem", porque, se repetia o "ora bem", logo a garotada, impaciente, começava a interrompê-lo."
Fonte: interior do livro

Ilustrações de Ana Duarte de Almeida

O Autor: Carlos Pinhão

Frequentou, até ao terceiro ano do curso, a Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, enveredando depois pela carreira de jornalista. Estreou-se em 1944, no jornal Sports, que viria a dar origem ao Mundo Desportivo. Onze anos depois tornou-se redator de A Bola, onde permaneceu até morrer. 
O autor escreveu obras bastante diversas uma vez que publicou livros de humor, poesia, literatura infantil e crónicas, destacando-se sobretudo nas suas crónicas e na Literatura Infantil.

Carlos Pinhão

O seu primeiro livro para crianças Bichos de Abril, foi publicado em 1975 e teve um sucesso imediato. Posteriormente publicou Gaivotas Com Óculos em 1979, O Professor do Pijama Azul em 1981, O Coelho Atleta e a sua Escola de Desporto em 1983, Abril Futebol Clube que foi o último livro publicado com o autor vivo, em 1991, ainda foi publicada uma edição póstuma do livro intitulado João Campeão em 1994. 

O autor publicou mais de uma dezena de livros para crianças, dando sempre às suas histórias ritmo e fantasia. O desporto também esteve presente nos seus livros infantis como por exemplo em O Coelho Atleta e a sua Escola de Desporto e em Abril Futebol Clube.
Fonte: wikipédia

Para aceder ao relatório em linha
clica na seguinte hiperligação:

Obra disponível na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil
Boas Leituras!

sábado, 14 de maio de 2022

Todos os dias um Autor Português: Leonel Neves

"O mistério do quarto bem fechado"
Texto de Leonel Neves e ilustraçõesde Tossan
Editado por Livros Horizonte em 1985

Começa assim:

"Em certa vivenda empoleirada numa das sete colinas de Lisboa, a ver o Tejo semeado de gaivotas e barcos ancorados e de navios a caminho ou de regresso do mar alto, mora o comandante Inácio Galinha, reformado da Marinha Mercante. É um velhote esguio, com a pele curtida pelo sol de todos os países e pelos ventos de todos os mares e portos do mundo. Tem já brancos os raros cabelos e a barba e o bigode cuidadosamente aparados. Está agora bastante surdo e quase não sai de casa: passa o tempo a ler histórias de viagens e romances policiais, a ouvir música, poucas vezes em frente da televisão e muitas a cuidar das suas belas colecções de selos, moedas e objectos de arte."
Fonte: interior do livro

Ilustrações de Tossan

O autor: Leonel Neves

Nasceu a 20 de junho de 1921, em Faro. Aí estudou até ao 6º ano do Liceu (corresponde, hoje, ao 10º ano de escolaridade). A partir de 1937 passou a viver em Lisboa, onde obteve a licenciatura em Ciências Matemáticas na Universidade de Lisboa.
Pertenceu ao primeiro curso de meteorologistas portugueses, e ingressou no Serviço Meteorológico Nacional no seu início, em 1946. O seu trabalho levou-o aos Açores, onde ficou durante dois anos, a Moçambique - 6 anos - e ainda Timor-Leste (2 anos).

Leonel Neves

Desde muito novo colaborou em vários jornais e revistas, tendo publicado o seu primeiro livro de poemas em 1940. Só após os 50 anos se dedicou à literatura para jovens; veio a falecer em Odiáxere, perto de Lagos, em 1996.
Fonte: Wook

Para aceder ao relatório em linha
clica na seguinte hiperligação:

Obra disponível na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil
Boas Leituras!

sexta-feira, 13 de maio de 2022

Todos os dias um Autor Português: Maria Alberta Menéres

"Dez dedos dez segredos"
Texto de Maria Alberta Menéres e ilustrações de Connie Fischer
Editado por Lisboa Editores em 1991

Começa assim:

"Conta o dedo mindinho da mão esquerda

Era uma vez uma princesa pequenina.
Quando nasceu, era linda. Por todo o reino se espalhou a fama da sua beleza. Por todo o reino e arredores.
Porém, à medida que o tempo ia passando, maior era a aflição dos seus pais e de todos os que viviam ao seu lado.
Eu vou dizer a razão de tão grande aflição:
é que a princesa estava quase a fazer 7 anos e...
continuava carequinha como quando nascera! 
Como é possível existir uma princesa sem lindos cabelos loiros ou sem lindos cabelos negros a esvoaçar ao vento? - era o que se segredava pelos corredores e corredores do velho palácio."

Fonte: interior do livro

Ilustrações de Connie Fisher

"Era uma vez duas mãos que sabiam contar muitas histórias.
Às vezes a mão esquerda começava uma e a mão direita acabava-a. Outras vezes era precisamente o contrário.
Isto de as mãos gostarem de contar histórias não é caso de causar admiração! Não é verdade que, quando se conta uma história, as mãos explicam à sua maneira o que se vai contando'
Bem, ainda não se disse tudo! Nestas duas mãos que gostavam tanto de contar histórias, cada dedo vai puxar pela sua cabeça ( cabeça de dedo, está bem de ver...) e botar palavra."
Fonte. interior do livro

Ilustrações de Connie Fisher

A Autora: Maria Alberta Menéres

Nasceu em Vila Nova de Gaia, em 25 de agosto de 1930. Licenciada em Ciências Histórico-Filosóficas pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi professora do Ensino Técnico, Preparatório e Secundário, nas disciplinas de Língua Portuguesa e História. 
Organizou a Antologia da Poesia Moderna Portuguesa (1940/1967), em 1976, e, dois anos mais tarde, a Novíssima Antologia da Moderna Poesia Portuguesa, em parceria com o poeta E. M. de Melo e Castro.
Maria Alberta Meneres

De 1974 a 1986, foi Diretora do Departamento de Programas Infantis e Juvenis da RTP, tendo sido autora e produtora de inúmeros programas. 

Foi Assessora do Provedor de Justiça, de 1993 a 1998, sendo da sua responsabilidade as primeiras linhas de apoio a crianças e idosos em Portugal. Criadora do conceito e responsável pelo nome do "Pirilampo Mágico", foi autora, durante seis anos, das letras das canções dessa campanha solidária que dura até hoje.

Maria Alberta Menéres é autora de mais de 100 livros infantis e juvenis, muitos publicados pelo Grupo Porto Editora, com merecido destaque para Ulisses, que conta já com 45 edições e mais de um milhão de exemplares vendidos. 
Fez traduções, adaptações, dezenas de peças de teatro, para além de uma sólida obra de poesia adulta. Em 1986 recebeu o Grande Prémio Gulbenkian de Literatura para Crianças, «pelo conjunto da sua obra literária e a manutenção de um alto nível de qualidade». 
Em 2010, foi agraciada com a Condecoração da Ordem de Mérito Civil no grau de Comendador.
Faleceu em Lisboa, a 15 de abril de 2019, com 88 anos de idade.
Fonte. Wook

Para aceder ao relatório em linha
clica na seguinte hiperligação:

Obra disponível na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil
Boas Leituras!

quinta-feira, 12 de maio de 2022

Todos os dias um Autor Português: Ilse Losa

"Bonifácio"
Texto de Ilse Losa e ilustrações de Miranda
Editado por Livros Horizonte em 1980

Começa assim:

"Chauffeurs" ou condutores de táxi são diferentes uns dos outros, cada um tem a sua maneira de ser.
Há os que gostam do silêncio; perguntam onde querem ir e não estão para mais conversa. Até certo ponto isso é agradável, porque nos deixam olhar sossegadamente pela janela ou pensar no que nos apetece.
Há outros com o aparelho de rádio sempre ligado a uma central, donde uma voz de mulher lhes diz quem anda à procura dum táxi. É enfadonha essa lenga-lenga, dá-nos cabo da paciência e chegamos a casa estonteados, como se tivéssemos apanhado com um martelo na cabeça."

Fonte: interior do livro

Ilustrações de Miranda
A Autora: 

Ilse Losa nasceu na Alemanha. Frequentou o liceu em Osnabruck e Hildesheim e depois um Instituto comercial em Hannover. A sua qualidade de judia criou-lhe embaraços no seu país, de onde foi forçada a sair. Na Inglaterra teve os primeiros contactos com escolas infantis e com os problemas das crianças. Refugiou-se em Portugal, aqui casou, adquirindo a nacionalidade portuguesa.

Ilse Losa

A sua já vastíssima obra inclui romances, contos, crónicas, trabalhos pedagógicos e literatura para crianças. Tem colaborado em diversos jornais e revistas, alemães e portugueses, está representada em várias antologias de autores portugueses e ela própria colaborou na organização e traduziu antologias de obras portuguesas publicadas na Alemanha. Traduziu do alemão alguns dos mais consagrados autores.

Em 1984 recebeu o Grande Prémio Gulbenkian, premiando o conjunto da sua obra para crianças. Alguns dos seus livros estão também publicados na Alemanha e em França.
Fonte: Wook

Para aceder ao relatório em linha
clica na seguinte hiperligação:

Obra disponível na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil
Boas Leituras!

quarta-feira, 11 de maio de 2022

Todos os dias um Autor Português: Maria Keil

"Os Presentes"
Texto e ilustrações de Maria Keil
Editado por Livros Horizonte em 1987

Começa assim:

"Olá! Bom dia!!!
Toma lá uma flor!

Que linda!!! Que bom que é receber uma flor... Gosto de ti.

A flor que te dei é tão pequenina...
Desculpa... Toma esta maior...

É tão linda!!! Gostei tanto que m'a tivesses dado!
Essa também é linda..."
Fonte: interior do livro

Ilustrações de Maria Keil

Olhaste bem para os meninos desta história?
Se observares bem notarás que as figuras são formadas por peças soltas. Já reparaste? Em cada ilustração as peças são colocadas de forma a darem uma nova situação, novas expressões. E viste bem o desenho das cabeças, das pernas, etc., são sempre os mesmos? Pois aí tens um jogo. Desenhas cabeças, pernas, braços, enfim todas as diferentes partes do corpo e depois constróis as tuas próprias histórias.

Fonte: Contracapa do livro

Ilustrações de Maria Keil


Maria Keil

A Autora:
Maria Keil é uma referência obrigatória quando se fala da história do grafismo e da ilustração em Portugal.
Foi pintora, ilustradora, decoradora, designer, ceramista, cenógrafa, figurinista e autora de algumas das mais importantes composições de azulejos produzidas em Portugal durante o século XX.
Tal como vários designers e autores de renome do panorama artístico daquele período colaborou, nos anos 40, com o Estúdio Técnico de Publicidade, uma das grandes agências de publicidade portuguesas.
Casada com o arquiteto Francisco Keil do Amaral, passou pela sua mão parte importante da decoração do Pavilhão Português da Exposição Internacional de Paris, em 1937.
Mais tarde foi também autora dos painéis de azulejos que decoraram as primeiras estações de metro de Lisboa.
Fonte: RTP Ensina

Para aceder ao relatório em linha
clica na seguinte hiperligação:

Obra disponível na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil
Boas Leituras!

Todos os dias um Autor Português: Patrícia Joyce

"O livro da comadre Cegonha"
Texto de Patrícia Joyce e ilustrações de José de Lemos
Editado por Sociedade de Expansão Cultural em 1977
Começa assim:

"Dona Cegonha Risonha tinha sempre muito que fazer.
Todos os dias o correio lhe levava uma porção de cartas, tão cheirosas, que Dona Cegonha nem precisava de as abrir para saber de onde vinham: Dona Elefanta usava perfume de cenoura; Dona Ursa, perfume de mel; Dona Macaca, perfume de amendoim; Dona Lontra, perfume de peixe; e assim por diante. Ora agora, o que diziam essas cartas, também ela já sabia."
Fonte. interior do livro 

Ilustrações de José de Lemos

A Autora: Patrícia Joyce

Patrícia Joyce

Ficcionista, tradutora, poeta e autora de literatura infantil, nascida em 1913, em Lisboa, e falecida em 1985, na mesma cidade, Dagmar Joyce Damas Mora adotou o pseudónimo Patrícia Joyce
Foi, até 1975, membro da comissão de leitura das Bibliotecas Gulbenkian
Integrando uma geração de escritoras reveladas no período do pós-guerra, Patrícia Joyce oferece, sob o ponto de vista intimista da mulher narradora, uma ficção de cunho realista e de temática sentimental, esboçada sobre um contexto social e historicamente marcado.
Fonte: infopedia.pt

Para aceder ao relatório em linha
clica na seguinte hiperligação:

Obra disponível na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil
Boas Leituras!

terça-feira, 10 de maio de 2022

Todos os dias um Autor Português: Júlio Isidro

O Planeta de Cristal
Texto de Júlio Isidro e ilustrações de Inês do Carmo
Editado pela ASA em 2006

"Sobrinhos e sobrinhas

Aqui está mais um livro de histórias do Tio Julião e dos seus cinco sobrinhos, primos entre si.
Desta vez começamos com uma viagem espacial e acabamos de OVNI, que, como é sabido, significa Objecto Visto e Nunca Imaginado

São mais nove divertidas histórias saídas da minha imaginação e que eu desejo possam ir ao encontro dos sonhos de aventuras.
Os primos estão um bocadinho mais crescidos, cada vez mais amigos, embora muito diferentes entre si.
Mariana continua a sonhar que será sempre princesa, o Max adora ferramentas e talvez venha a ser engenheiro, o Lourenço adorava ser cavaleiro, o Xavier é um rapaz de acção que um dia irá salvar uma menina de se afogar, e a Francisca nasceu para o Circo, porque palhaçadas são com ela.

Espero que continuem a ler as minhas histórias pelo menos ao deitar, e que na hora de dormir sonhem com aventuras muito espaciais e especiais como estas que aqui vos deixo."
Fonte: contracapa do livro

Ilustrações de Inês do Carmo

Depois de É Tudo Primos e Primas (2004) e Ideias Giras (2005), este é o terceiro livro de histórias. Dado o êxito dos títulos anteriores e a regularidade da sua publicação, este terceiro volume da série fica a marcar a criação de uma nova colecção - a colecção "Primos & Primas" - especialmente destinada a reunir as histórias destes cinco heróis tão especiais que, mais do que primos, são sobretudo companheiros e amigos que, através das peripécias do dia-a-dia, vão crescendo e estreitando cada vez mais os laços que os unem.
Fonte: Wook
Júlio Isidro
O Autor: 

Júlio Isidro é um profissional da comunicação social. Por isso comunica na televisão, na rádio, nos jornais e nos livros. 

Nasceu em Lisboa nos anos 40 do século XX e desde pequeno revelou grande criatividade, em especial na arte de comunicar. Escreveu peças e fez teatros com as irmãs e os amigos, inventou uma máquina de projetar cinema e até desenhou o filme, montou um castelo fantasma no jardim do prédio em que vivia e, no Orfeão do Liceu Camões, era tenor e apresentador. 

Estreou-se na televisão no Programa Juvenil a 16 de janeiro de 1960 (tanto tempo…) e na rádio a 1 de junho de 1968. Tem mais de 15 000 horas de televisão e 35 000 de rádio. 

Escreve para jornais quando lhe pedem e gosta de contar coisas no seu Facebook (já sei que preferem o Instagram, ou o Twitter, mas eu sou assim). 

Tem oito livros editados com histórias para crianças e guarda muitas para qualquer dia. Não se considera um escritor, apenas um contador de histórias com aventuras cheias de fantasia e bom humor. Parece que as crianças têm gostado desde a sua estreia há muitos anos com o livro Histórias do Tio Julião.

«A minha miudagem são agora senhoras e senhores que cresceram comigo.» Continua a trabalhar em televisão na RTP Memória, com dois programas semanais, e na Rádio Renascença. Nos tempos livres, gosta de construir modelos de aviões e depois pô-los a voar. Até parece que vai lá dentro…
Fonte: Wook

Livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para o 3º ano de escolaridade

Para aceder ao relatório em linha
clica na seguinte hiperligação:

Obra disponível na Rede de Bibliotecas do Concelho de Arganil
Boas Leituras!