quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

"Um livro de cores e formas"

Um livro de cores e formas
Tradução de Paulo Emílio Pires
Editado pela Edicare em 2013

O Livro Espelho, além de despertar o interesse através das cores e formas inclui um pequeno espelho que funcionará como uma brincadeira para o bebé através do seu reflexo.
A coleção "Olá Bebé" apresenta contrastes e padrões definidos, que correspondem a estímulos fortes para bebés recém-nascidos. Aos poucos começam a explorar objetos com todos os sentidos ativos.

Fonte: www.edicare.pt


Obra disponível na rede de Bibliotecas do concelho de Arganil
Boas leituras!

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

"A tartaruga que queria dormir," um livro de Roberto Aliaga & Alessandra Cimatoribus

"A tartaruga que queria dormir"
Texto de Roberto Aliaga e ilustrações de Alessandra Cimatoribus
Editado pela OQO em 2008

A tartaruga tem muito sono e vai dormir durante todo o Inverno. Prestes a ir para a cama, enquanto cumpre o ritual para ir dormir (escovar os dentes, vestir o pijama, aconchegar os lençóis…), alguém bate à porta. São os seus amigos que vão chegando com presentes (um gorro, um bolo de pêra, uma manta…) para a acompanharem no longo período de sono que a espera.

A amizade é importante e a tartaruga agradece as atenções, mas cada vez tem mais sono e a única coisa que quer é que a deixem tranquila para poder dormir…


Na infância é comum o medo da noite, do escuro e o desassossego na altura de ir dormir; por isso é importante que o leitor se identifique com as personagens que apresentam esta experiência como uma acção tranquilizadora, e reconheça a necessidade do descanso e o silêncio como um estado agradável.

Formalmente, esta história foi construída com rimas, repetições, enumerações e um tratamento simples da linguagem para os mais pequenos. O jogo de onomatopeias, reforçado a partir da ilustração, confere um tom lúdico à narração e marca um ritmo em que os ouvintes são convidados a participar.


Os pequenos leitores podem seguir a história através das ilustrações, cheias de ternura e humor, com o estilo próprio e as texturas inconfundíveis de Alessandra Cimatoribus, onde a tartaruga e os seus amigos conquistarão a simpatia do leitor, pelo seu carácter amável e pela sua força expressiva.

Um álbum para reforçar hábitos saudáveis e completar o ritual de ir dormir ouvindo uma história antes que o sono venha.

Fonte: Wook


Para ver e ouvir em espanhol


Obra disponível na rede de Bibliotecas do concelho de Arganil
Boas leituras!

quarta-feira, 24 de janeiro de 2018

"Olhos tropeçando em nuvens e outras coisas" de João Pedro Mésseder

"Olhos tropeçando em nuvens e outras coisas"
Texto de João Pedro Mésseder e ilustrações de Rachel Caiano
Editado pela Caminho em 2017 

Há olhos que quase só deslizam no telemóvel; e olhos que tropeçam em nuvens, em bolas, em pessoas, em patas de aranha, eu sei lá em quê. 
Às vezes, esses olhos tropeçantes querem que as mãos escrevam textos à maneira de haicais (este livro explica o que são). Os olhos tropeçam num melro, a mão escreve um; numa borboleta, a mão escreve outro, e por aí fora. E há mãos que gostam de desenhar... haicais. Mas será isso possível? 
É abrir o livro e logo se verá.
Fonte: contracapa do livro


Começa assim:

"Hora de dormir",
diz a mãe, "apaga a luz".
Mas o meu livro acende-se.
Ilustrações de Rachel Caiano

(...)

Esta manhã o vento
vestiu-se de chuva, ou foi a chuva
que de vento se vestiu?

A neve mordendo
a terra. E, sobre o branco,
dois corvos ainda.

Frio Frio.
A gata chamuscou 
a cauda na braseira.

(...)

Escuta o vento
que os plátanos e as tílias
te ensinam a ouvir.
Fonte: interior do livro


Livro disponível na Rede de Bibliotecas do concelho de Arganil
Boas Leituras!

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

"Oh! O meu chapéu", um livro de Anouck Boisrobert & Louis Rigaud


"Oh! O meu chapéu"
Um livro de Anouck Boisrobert & Louis Rigaud
Editado pela Edicare em 2015

Atravessando uma cidade em pop-up, do zoo ao ARRANHA-CÉUS, passando pela padaria e pela biblioteca, um chapéu surripiado por um macaco ladino ziguezagueia, desaparece por trás dos cenários, e surge novamente, cada vez mais alto!

Ei, leitores astutos! Sigam este chapéu!
Dez formas geométricas coloridas, alguns traços a lápis e a extraordinária criatividade dos artistas Anouck Boisrobert & Louis Rigaud numa história de saltos e de volumes!

Fonte: contracapa do livro




Livro disponível na rede de Bibliotecas do concelho de Arganil.
Boas Leituras!

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

"A fuga da ervilha", um livro de Pedro Seromenho

"A fuga da ervilha"
Texto e ilustração de Pedro Seromenho
Editado pela Paleta de Letras em 2013


"Era uma vez uma ervilha que vivia num canto da cozinha da avó.
Ficara esquecida, num prato quase vazio e sentia-se velha, dura e sozinha.


- Se é para ficar aqui quieta e aborrecida, mais vale ser engolida!"

Entra com ela nesta aventura, agarra-te ao BOLO ALIMENTAR e fica a saber o que o gigante FÍGADO anda a preparar!

É uma história divertida com um final surpreendente!"
Fonte: contracapa do livro

Ilustrações de Pedro Seromenho

Livro disponível na rede de Bibliotecas do concelho de Arganil
Boas Leituras!

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

"O convidador de pirilampos", um livro de Ondjaki

"O convidador de pirilampos"
Texto de Ondjaki e ilustrações de António Jorge Gonçalves
Editado pela Caminho em 2017

"- Não achas que podem ficar tristes, esses pirilampos dentro de uma gaiola que fica dentro do teu quintal?
- Se estivessem tristes, acho que não brilhavam assim.
- E se estiverem a brilhar de tristeza? - perguntou o Avô.
- Não tinha pensado nisso."

Fonte: contracapa do livro



"O convidador de pirilampos" é o resultado de uma nova colaboração entre aqueles dois autores, cinco anos depois de "Uma escuridão bonita". Os dois títulos fazem parte de uma série batizada por Ondjaki de "Estórias sem luz elétrica", da qual faz parte também o romance juvenil "A bicicleta que tinha bigodes" (2011).

Neste novo livro existe um menino que vive com o avô, perto da Floresta Grande, onde há pirilampos cintilantes. Nela, o rapaz experimenta os engenhos que inventou para apanhar pirilampos e assim iluminar as noites escuras.
Entre as invenções que `cientistou` estão um "aumentador de caminhos", um "unóculo para ler o brilho dos pirilampos" e um "convidador", ou seja, uma gaiola para apanhar aqueles insetos e com os quais tentará comunicar, em código morse.




Com ilustrações feitas num jogo de sombras em fundo negro, a representar a noite e a floresta escura, "O convidador de pirilampos" tem subjacente a relação entre humanos e a natureza, os laços familiares, a criatividade e alguns dos medos associados à infância.

Ondjaki, pseudónimo literário do escritor angolano Ndalu de Almeida, é autor de mais de uma dezena de obras literárias, entre poesia, romance, teatro, contos e vários títulos para a infância e juventude, alguns recomendados pelo Plano Nacional de Leitura.

Fonte: www.rtp.pt

Ilustrações de António Jorge Gonçalves

Livro disponível na rede de Bibliotecas do concelho de Arganil
Boas Leituras!

quinta-feira, 18 de janeiro de 2018

"Uma Letra, Mil Palavras", um livro de Manuela Ribeiro


"Uma Letra, Mil Palavras"
Texto de Manuela Ribeiro e ilustrações de Carlos Rocha
Editado pela Textiverso em 2017

As letras puseram-se a brincar entre si e, então, aconteceu uma coisa nunca vista: surgiu um imenso mar de palavras no qual convivem alegremente um relógio avariado, um jacaré acrobata, um formiga apressada, um pente desdentado, um rato astronauta...

Fonte: www.textiverso.com


Livro disponível na rede de Bibliotecas do concelho de Arganil
Boas Leituras!

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

"Um dia de loucos: Trinta ossos duros de roer", um livro de Walter Benjamin

"Um dia de loucos: Trinta ossos duros de roer"
Texto de Walter Benjamin e ilustrações de Marta Monteiro
Editado pela Bruaá em 2016

"Um dia de loucos: Trinta ossos duros de roer" é um dos cerca de noventa programas de rádio para crianças que Walter Benjamin, um dos mais influentes pensadores do século XX, escreveu e apresentou na rádio alemã entre 1927 e 1933. Transmitidos entre a Rádio Berlim e Rádio Frankfurt, estes programas de Benjamin abrangiam uma fascinante variedade de tópicos: o terramoto de Lisboa, a erupção do Vesúvio, a inundação do rio Mississipi, e muitos mais. Neste texto em particular, Benjamin propõe uma intrigante e divertida história onde acompanhamos as peripécias da personagem principal na busca da solução para uma adivinha. 


Enquanto a lemos, somos desafiados a encontrar 15 erros e a responder a 15 perguntas. Cada resposta correta a uma pergunta vale dois pontos, porque muitas das perguntas são mais difíceis de responder do que os erros são de encontrar. Todas as soluções são apresentadas no final (não vale espreitar). Aceitam o desafio?"

Fonte: www.bruaa.pt

 Livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para o 8º ano de escolaridade


Obra disponível na Rede de Bibliotecas do concelho de Arganil
Boas Leituras!

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

"O Primeiro Dia de Escola", um livro de António Mota

O primeiro dia de escola
Texto de António Mota e ilustrações de Paulo Galindro.
Editado pela Asa em 2014

"Aproxima-se o primeiro dia de escola para a Inês. Ela anda irrequieta e ansiosa, e não pára de fazer perguntas. António, o irmão mais velho, diverte-se imenso com a situação e inventa respostas mirabolantes que a deixam ainda mais desconcertada. Fala-lhe da comida da cantina, que inclui "formigas fritas com pimenta", e dos "olhos mágicos dos pratos" que adivinham tudo o que nós pensamos. Inês fica espantada. Até um pouco assustada! 
Mas logo o avô Júlio recorda a primeira vez que foi à escola, numa história que mete sonhos, os conselhos da sua avó Rosa e a descoberta de um novo mundo, naqueles que foram "os dias mais doces" da sua vida. Inês parece outra, e até já pensa em levar o Fiel, o cãozito do avô, consigo para Cruzando gerações e vivências, António Mota escreve sobre o crescimento e o encontro com novas realidades, sobre a família e a partilha de sentimentos, sobre a amizade que se conquista e se perpetua, recorrendo sempre que possível à fantasia e ao insólito. 
Amanhã, Inês irá feliz para a escola, com a sua mochila cheia de livros e cadernos e material novinho a estrear, sabendo que o medo é apenas "uma mancha branca, parecida com uma nuvem" que os avós podem fazer desaparecer…"
Fonte: WooK


Livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura 
para o 2º ano de escolaridade

Obra disponível na rede de Bibliotecas do concelho de Arganil
Boas Leituras!

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

"O menino que não gostava de sopa", um livro de Cidália Fernandes


"O menino que não gostava de sopa"
Texto de Cidália Fernandes e ilustrações de Sandra Serra
Editado pela Edições Livro Directo em 2011

"Apesar das insistências da mãe, Joãozinho recusava-se a comer a sopa. Então, um dia, quando ele olhava tristemente para o prato, um nabo, uma cenoura e uma couve verdinha resolvem falar-lhe da importância de comer legumes para crescer de uma forma saudável. Imagine-se o espanto da mãe, quando, passado algum tempo, o Joãozinho lhe entrega o prato vazio e lhe pede mais sopa!"

Começa assim:

"Era uma vez um menino
Que se chamava João 
Com dois aninhos apenas 
Já sabia dizer que não. 

Quando a mãe lhe pedia 
Para a sopinha comer 
Ele fazia que brincava 
E não queria saber. 

Ela reagia assim 
E sabem qual era a razão? 
É que a sopa era o primeiro 
Prato da refeição.

-Anda comer, meu tesouro!- 
Dizia a mãe com carinho. 
Mas o nosso Joãozinho 
Fazia logo beicinho. 

Fazia birra e chorava 
Dizia sempre que não. 
Que não gostava de sopa 
Que preferia... o pão.
(...)"
Fonte: interior do livro

A Autora: 

Cidália da Conceição Azevedo Fernandes nasceu em Vieiro, concelho de Vila-Flor, no dia 14 de março de 1961.
Fez os seus estudos primários em Pinhal do Norte e em Carrazeda de Ansiães e completou os seus estudos secundários na cidade de Bragança, no Liceu Nacional. Licenciou-se em Línguas e Literaturas Modernas, variantes de Português e Alemão, na Faculdade de Letras do Porto. Obteve o grau de Mestre, em Cultura Portuguesa, na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.
Atualmente é professora efetiva na Escola Secundária de Penafiel, onde se encontra a lecionar a disciplina de Português a alunos do ensino secundário. É Vice-Presidente da Anto – Associação dos Amigos de António Nobre, com sede em Vila-Meã.
Tem participado em vários festivais infantis e juvenis, a nível nacional, nos quais obteve já vários prémios. No âmbito do incentivo à leitura, tem realizado inúmeras deslocações a escolas de todo o país, divulgando, ao mesmo tempo, os seus livros e incentivando o público infantil e juvenil à leitura e à escrita criativa.
Fonte: Wook

Ilustrações de Sandra Serra

Livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para apoio a projetos relacionados com o corpo humano/saúde na Educação Pré-Escolar, 1º e 2º anos de escolaridade.

Obra disponível na rede de Bibliotecas do concelho de Arganil
Boas Leituras!

quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

"A última Paragem", um livro de Matt De La Peña


"A última Paragem"
Texto de Matt De La Peña e ilustrações de Christian Robinson
Editado pela Minotauro em 2017

"Todos os domingos, depois de irem à igreja, o Alex e a sua avó apanham o autocarro e atravessam a cidade. No entanto, hoje, ele pergunta porque não têm um carro como o seu amigo Bernardo
Porque não tem um iPod como os outros meninos no autocarro? 
Porque têm sempre de descer na parte mais suja da cidade? 
Cada uma destas perguntas é clarificada pelas respostas animadoras da avó, que o ajuda a ver a beleza e a diversão daquela rotina e do mundo à sua volta.

Esta viagem, cheia da energia de uma cidade movimentada, dá relevo a um olhar maravilhoso, que só pode ser partilhado entre avós e netos, ganhando vida através da escrita vibrante de Matt de la Peña e das ilustrações radiantes de Christian Robinson."

Fonte: Wook



Bestseller do New York Times
Medalha Newberry 2016
Livro de Honra Caldecott 2016
Livro de Honra Coretta Scott King Illustrator 2016
New York Times Book Review Notable Children's Book de 2015
Melhor livro infantil de 2015 pelo Wall Street Journal



«Nas páginas comoventes de A Última Paragem torna-se translúcido que a pobreza material não significa pobreza espiritual nem falta de imaginação.»

The Wall Street Journal


«É também o carinho do seu relacionamento intergeracional que torna este livro tão agradável, quer para os leitores mais novos quer para os adultos que partilhem com eles esta leitura.»

The New York Times Book Review


«[A Última Paragem] encontra beleza em sítios inesperados, explora a diferença entre o efémero e o que persiste, explora a desigualdade e é testemunha do amor partilhado por um menino afroamericano e a sua avó.»
Publisher's Weekly


Fonte: interior do livro

Obra disponível na rede de Bibliotecas do concelho de Arganil
Boas Leituras!

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

"Não há como escapar e outros contos maravilhosos", um livro de Tim Bowley


"Não há como escapar e outros contos maravilhosos"
Texto de Tim Bowley e ilustrações de Óscar Villán
Editado pela Kalandraka em 2012


"Tim Bowley é um dos grandes contadores de histórias que há anos percorre as cidades e as aldeias de Espanha e Portugal, tendo criado um repertório que ficou gravado na memória de muita gente, miúda e graúda. 

Neste livro apresenta-nos uma selecção dos seus melhores contos, que não nos deixarão indiferentes.
O humor, a ternura, o medo e o terror, mas também a alegria, estão presentes em cada uma destas histórias que nos permitem viajar por todo o mundo: bosques emaranhados, vales profundos, montanhas altíssimas, aventuras trepidantes, personagens inauditas...

Contos maravilhosos, contos do mundo que nos oferecem sabedoria."

Fonte: contracapa do livro

Fonte: interior do livro


Dez contos sobre intrigas, amores, feitiços, aventuras, perigos... 
Leituras audazes para transpor as fronteiras da realidade

Livro recomendado pelo Plano Nacional de Leitura para o 3º ciclo
Obra disponível na rede de Bibliotecas do concelho de Arganil

Boas Leituras!